domingo, 29 de maio de 2016

Dia de cronica? opa hoje não

Eu sei que disse que aos domingos seriam dias de cronicas, mas hoje resolvi compartilhar de uma reflexão que me ocorreu depois de uma semana muito pensativa  e de ponderar muito sobre a vida em si.

Lembra que eu escrevi que estava um pouco sem graça e sem sal? Uma das questões que descobri foi não respeitar que eu mudei e quem eu sou. E isso doeu profundamente em mim, não vou aqui levantar muitas questões polemicas sobre preconceitos, porém vou dar um exemplo tão bobo que caberá para qualquer coisa. Pensa que você gosta de uma música (aqui coloque um estilo/cantor que couber), aquela musica que te vibra a alma, que  te deixa  feliz, que ó de ouvir você tem vontade de sorrir e se mexer, imaginou? Agora guarda essa sensação de felicidade e espontaneidade, pois bem todos acham essa musica brega, feia, chata e você para fazer parte dessa sociedade que lhe cabe nega essa paixão musical e com isso a alegria respectiva que a musica lhe proporciona.

Agora estenda esse exemplo para a roupa que lhe deixa feliz e confortável, para o amor que aquece teu coração,para o cabelo que te alegra ( ai meu Deus porque as pessoas tem  que cutucar o cabelo alheio, deixa ela ser  cacheada,tingida, alisada, curtíssima pixel, cabeludo, black power, armada e nada controlada, frizz em paz), se ela é gordinha, marombada, definida, magrela, se ela é ateu, se ela é religiosa.

Já pensou ter que esconder constantemente aquilo que faz sua alma sorrir para caber numa sociedade hipócrita que também tem seus escondidos só por medo de revelar aquilo que ama? 

Não dá, não dá, não dá. Por isso adoecemos tanto, brigamos e nos escondemos e com isso não damos liberdade para a nossa mente evoluir, mudar ou até permanecer como está (se você é gordinho/alisado/magro/ ou qualquer outra coisa e está saudável e bem consigo mesmo...porque mudar?)

Com isso eu vi o quanto as outras pessoas sofrem, eu não consigo imaginar a dor de amar alguém que para alguns familiares, sociedade possa lhe ser proibido, feio, pecaminoso. Portanto o blog mudou, isso já deve ter percebido, não consigo falar só de amenidades, de o que usar com bota (isso nunca consegui, já deu para perceber né, uma pena já que dá tanto lucro para alguns) , vou falar aqui o que eu sinto, quem eu sou de verdade, da minha busca espiritual, dos meus dilemas de mulher, dos meus livros que tanto amo, das minhas blusas diferentes que me divertem quanto uso, dos jogos de video game que eu curto, dos filmes (poser) que eu assisto e já quero ser fã, o blog talvez continue  na surdina dentre outros tantos, mas leios uns desse mesmo jeitinho e são eles que me alegram, me distraem, me trazem novidades para pesquisar, portanto esta é a cara nova dele. 

Até mais.

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Cinco maneiras de perturbar uma mãe

Quer perturbar uma mãe e não sabe como, vamos lá hoje vou te dar cinco dicas básicas e infalíveis e sem chance de errar.

1 ) Não a deixe dormir - principalmente se ela estiver com dor de cabeça, cante diversas músicas e peça para ela cantar infinitamente o mesmo refrão, derrube os brinquedos no chão, use a imaginação para impedir que o ato de dormir não aconteça;

2) Na hora das refeições separe todos os ingredientes do prato e vá deixando por último aqueles que menos aprecia, coma demoradamente só para atrasar e não esqueça de olhar fixo nos olhos da mãe nesse momento

3)Ainda sobre refeições - vá para casa de algum parente menos afetuoso da mamãe e coma tudo aquilo que você nega de comer em casa porque diz que não gosta.

4) Peça para ir ao banheiro a todas as vezes que ela estiver usando ou assim que ela colocar a comida no prato.

5)Essa é a melhor de todas - peça para ligarem da escola, só de aparecer o numero no identificador de chamadas o coração dela irá disparar, se disser que está com febre então ... sua mãe não sossegará até por as mão na sua testa e os olhos nos seus só para ler você e saber se está tudo bem.

Sim minha gente, é para ser sarcástico e um tanto irônico, mas essas situações sempre perturbam uma mãe e a ultima fará com que ela não trabalhe mais direito naquele dia...é boas dicas, mas não façam isso em casa rs 

Até mais.

domingo, 15 de maio de 2016

Crônicas da vida real: Mais um sábado à noite

Sabe aquele dia sonso, mas sonso, como um café requentado de boteco?

Sim eu poderia dizer que esse sábado estava igual a café requentado, sonso, sem graça e sem sabor adequado e nada me agradava e muita coisa dando errado ao mesmo tempo.Me vi naquele momento me forçando a ficar alegre, fingindo empolgação que estava bem longe de ser real.

E porque eu precisava ser na aparência facial completamente ao contrário daquilo que estava no meu íntimo?

Desde quando me incubei na ditadura dos ser feliz a todo momento?  Culpa das redes sociais onde o gramado é tão verdinho sempre?  Porque tinha ser feliz ou triste no limite?

Passei muito tempo daquele dia pensando, com aquela cara de estou com fome e ninguém me oferece nada sem saber muito bem ao certo em como mudar aquela cara de azeda e em como mudar o sábado sonso, a unica coisa que eu tinha certeza é que  eu não iria estampar um sorriso que eu não tinha a mínima vontade de esboçar.

O que havia mudado entre querer ser feliz, ser feliz e apenas viver calmamente a vida, fazendo boas noticias, aceitando as tristezas e apenas ficando quieta e calma quando assim desejasse... porque já viu uma pessoa quieta... as pessoas cutucam, provocam, mexem... não deixam quietas com o pensamento, ou porque não observando as nuvens passar.

Aceitei o morno, o sonso, aceitei o choro, lavei o rosto e não sorri, Fui para a cozinha fazer um café fresco, porque pelo menos o café podia ser muito bom!

*Crônicas de uma vida real são pequenos textos escritos através da observação, podem ser histórias reais ou não...

domingo, 1 de maio de 2016

Projeto : Cronicas da vida real

Oi todo mundo

Estou relançando o meu projeto de "Cronicas da vida real" , ele veio de mansinho do outro blog que eu tinha e abandonei ( o Maternagem consciente) e eu tinha deixado de lado essa vontade de criar textos pelo puro gosto de escrever, até tinha algumas cronicas escritas aqui, meio perdidas e deslocadas no meio das postagens.

Já tenho alguns textos na fila de espera, é uma escrita minha, simples de observação do cotidiano desse mundo louco que vivemos.

Horas será de cunho poético, romântico, algumas vezes humorístico e de um tanto de veracidade com o que encontramos por ai ( sim você poderá reconhecer a cronica de algum lugar, talvez da senhorinha que senta no ônibus todos os dias olhando a janela na mesma posição, você poderá achar que foi ela que relatou aquele dia dela).

Poderá ler aqui doses sarcásticas e irônicas de uma mãe mal humorada, de um solteiro cansado da balada e uma criança cansada do céu azul, desejando pintar de verde. 

Não percam aos domingos "Cronicas da vida real"