quarta-feira, 1 de agosto de 2018

Mil escritas aleatórias ( momento reflexivo)


Abri o rascunho do meu e-mail, cheguei decidida que toda sexta o blog teria postagem, nem que fosse textos aleatórios, até a organização fluir, pegar ritmo essas coisas.

Guardo todas as escritas inacabadas no rascunho do e-mail, assim se eu quiser continuar, posso fazer em qualquer lugar e me deparo com mais ou menos 19 textos inacabados.

Eu deveria publicar esses textos? Eu não faço o blog para fins lucrativos, apenas escrevo porque isso me faz bem e mais nada além disso. Muitos deles não servem mais para serem publicados, pois rementem a um momento no qual eu não estou mais vivendo, outros foram tão pessoais que ainda bem que eu não os publiquei.

Enquanto escrevo isso, estou tão relaxada, tão plena que por um minuto não me reconheço, estou feliz ( isso eu reconheço), meses se passaram num turbilhão de emoções, não digo que foi a última grande crise, não acredito mais nisso, também não foi a mais rápida, não consigo medir isso , todas que eu tive até agora foram tão intensas e me transforam de uma maneira que eu não sei muito bem o que aconteceu no mundo lá fora enquanto eu cuidava de dentro.

Eu descobri nesse processo que eu vivi um luto, meu ego estava de luto, pois uma parte dele morreu com a mudança de trabalho e de vida que estava dentro de um formato e se modificou todo. 

Eu não descobri meu o meu propósito pessoal de vida, mas hoje posso escrever que não isso não é tão importante assim como eu achava (claro que ele tem sim importância) , porem meu papel nessa vida vai muito além de ter um “título de proposito” definido, não saber, não me causa mais tanta confusão como estava até pouco tempo atrás.

Tenho sim muitos objetivos e aos poucos vou desenhando o que eu desejo e quem sabe muito em breve eu saberei qual o percurso que quero fazer nessa jornada da vida.

Sinto falta de estudar e de me dedicar a assuntos que realmente despertam meu interesse ( por exemplo amo idiomas, adoraria aprofundar mais o meu curso de inglês, porém agora não posso assumir mais nada), afinal eu tenho que me dedicar ao curso de francês e duas faculdades, não posso simplesmente diversificar mais  o que estudo, seria insanidade e não aproveitaria o meu verdadeiro potencial. Além da família, do bem-estar e infância das minhas filhas, meu trabalho e tudo que envolve viver em sociedade.

Eu preciso aprender a me concentrar e isso é a minha maior dificuldade, porque eu tenho a tendência de assumir muita coisa diferente de uma única vez e isso acaba me prejudicando porque não consigo me dedicar e acabo frustrada com os resultados.

Agora estou num novo ciclo de vida e irei aproveitar essa nova fase para investir no meu crescimento pessoal.
Ps1. Enquanto esse texto era construído, parei um minuto para pesquisar se haviam cursos de inglês para o meu horário de almoço. (Fechei correndo o site para não cair nessa tentação)

Ps2 . Dois projetos em standby são estudar psicanálise e psicopedagogia. 

Ps3. Essa semana estou me dedicando as metas de 2018 e o blog está retornando a ativa, pelo menos todas as sextas.

Nenhum comentário: