segunda-feira, 28 de maio de 2018

TUDO BEM SER DIFERENTE

Acho que das coisas que mais me tocam e costumam me incomodar é o fato de em vários lugares que eu costumo frequentar, na maioria das vezes, eu sou a "diferente"

Isso vai desde as roupas que eu uso, a forma que me porto no local, a falta de paciência para a falta de educação alheia e a falta de vontade para enfeites (em reuniões - gosto de coisas direto ao ponto), meus gosto o fato de eu ser nerd, gostar de tentar ajudar o meio ambiente carregando meu lixo, meu copo, meu guardanapo e agora meu canudo.

Muitas vezes me sinto deslocada nesses ambientes, escola, trabalho, escola das filhas. Olha que bizarro você no meio do shopping sacar um potinho de algo que você mesmo fez para comer ? Pois é essa sou eu.

Que entoa mantras quando está nervosa, cheira óleos essenciais quando precisa de energia, carrega seu japa mala para onde vai. Não tenho paciência para fofocas e nem para ficar falando mal do povo por aí . 

Tenho as minhas tatuagens,  não gosto de calça, vivo maquiada e sou do lado mais sóbrio, minimalista e social normalmente....Sim não me encaixo em muitos padrões, principalmente morando numa cidade litorânea e também não sou "bicho hippie"  então acabo não pertencendo a comunidade nenhuma... difícil né ? Confesso que muito!

As vezes a vida bagunça muito por causa disso, me perco nos meus trilhos e acabo nos  trilhos alheios, por talvez tentando me encaixar mais e ai, me bagunço toda e me força a voltar para  a minha "diferença" .

Participo de cursos de cosméticos naturais porém lá estou eu em casa assistindo vídeo de maquiagem de pele perfeita , sim sou todas essas misturas

E o que há de mal nisso?

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Livro - O que eu sei de verdade

Após acabar a leitura do livro : "O conto da Aia", fiquei pensando o que eu iria ler no lugar. Precisava ser algo de fácil leitura e ao mesmo tempo envolvente porque tinha que ser aquela leitura que eu ficasse "necessitando" ler e saber o que acontece

Já antecipo um fator muito negativo no livro, é pouco, tinha que ser muito mais, a leitura é tão gostosa que passei da metade muito fácil e passei a economizar as palavras para saborear cada lição que o livro me passava

Horas suave, horas muito tapa na cara. O livro é uma lição de auto estima de forma gradual.

Se eu fosse uma pessoa mais calma, teria lido apenas uma cronica por dia, mas isso não faz parte ainda da minha característica. 

Anotei várias passagens do livro e cheguei a refletir sobre várias,Confesso que quando peguei o livro pra ler, pensei que era uma autobiografia, depois das primeiras páginas senti uma ponta de auto ajuda, mas seria muito impreciso colocar o livro numa, ou outra classificação porque ele é um misto muito suave dos dois.

"O que eu sei de verdade é que tudo acontece por um motivo [...]" Não tem como não refletir sobre isso, ainda mais no momento da vida no qual me encontro, fico pensando que estou justamente lendo esse livro nesse momento da vida por uma razão muito grande, a de "me Despertar"

O que eu sei de verdade é que você não quer viver assim - fechado para os próprios sentimentos e para o mundo à sua volta. Quero que todos os dias sejam uma nova chance de expandir as possibilidades. De experimentar a alegria em todos os níveis 

Há muitos trechos lindo no livro, que invocam amor, gratidão , preserve rança. É um livro belíssimo que toda adolescente deveria ler para compreender a capacidade de si própria .

Confesso que pensei, ah mas é muito fácil, afinal o dinheiro faz diferença. Faz sim, claro, dinheiro conquistado por ela, com certeza ela tem o Dom com as pessoas se não ela não alcançaria méritos tao grandes assim, é aquele preconceito que temos que a vida de uma pessoa rica é perfeito, que só é feliz quem é rico, são conceitos que a televisão e as novelas e filmes medonhos colocam na nossa cabeça, inclusive de uma mulher ser forte, bem sucedida!


Queria escrever muito mais, porém daria mais trechos sobre o livro e não quero estragar a leitura. 

O que eu sei de verdade? É que eu inclui essa mulher na minha lista ( bem curta por sinal) de pessoas que eu gostaria de tomar uma xícara de chá e passar algumas horas proseando.

Que por causa do livro me lembrei que não importa quem você seja, sempre dá para achar motivos para agradecer e eu voltei a agradecer, e passei fazer isso antecipadamente, passei agradecer por ter meu trabalho, antes mesmo de entrar na sala, passei a agradecer pela refeição, na hora do preparo, o livro é um incentivo para buscar dentro do seu dia, pilulas de motivação, agradecimento e amor.


Título: O que eu sei de verdade
Original: What I Know for Sure
Autora: Oprah Winfrey
Editora: Sextante
Páginas: 144
Sinopse: “O que eu sei de verdade é: sua jornada começa com a decisão de se levantar, sair e viver plenamente.” – Oprah Winfrey
Entre os talentos de Oprah Winfrey está sua capacidade de compreender a natureza humana como poucos e, ao mesmo tempo, colocar essa sabedoria em palavras. Desde que foi questionada sobre as coisas de que tinha certeza na vida, ela passou a registrar suas reflexões sobre relacionamentos amorosos, família, autoestima, medos, fracassos e superação. Em textos curtos, Oprah oferece mensagens profundas que vão ajudar você a fazer as pazes com seu corpo, a construir relacionamentos mais harmoniosos, a mudar sua maneira de encarar os problemas e a extrair da vida o máximo que ela tem a oferecer.

segunda-feira, 30 de abril de 2018

Mudanças na vida - Nova graduação


Se eu contar algo aqui, acho que ninguém vai acreditar, mudei de faculdade, mas não foi unicamente isso. Foi muito além disso.
Eu estou fazendo uma nova faculdade, semipresencial, um curso completamente diferente da minha área atual, porém uma continuidade de um curso técnico que eu já havia feito anteriormente e ainda estou fazendo a minha faculdade de contabilidade Ead. Por motivos técnicos de : Eu ainda preciso permanecer na minha profissão por motivos financeiros, porém agora eu estou rumo ao que está me trazendo uma satisfação interior muito grande.

O Blog irá movimentar-se bastante por esse período, estou com planos para ele e para a minha carreira e aos poucos irei detalhar aqui esse novo percurso. Provavelmente semana que vem falarei melhor sobre o curso, a instituição da minha escolha e tudo mais que tem acontecido.

A verdade é que eu andava completamente desanimada com a minha profissão, quase largando a faculdade de lado porque eu passava o dia todo mexendo com isso e não aguentava nas minhas poucas horas livres ver mais sobre esse assunto, com isso eu não estava mais quase fazendo lição, apenas cumpria o que precisava para não ficar com pendencia em alguma matéria.

Achava que a desmotivação era o local de trabalho, depois achei que era com a faculdade e enfim cheguei à conclusão que era com o curso, não tinha mais motivação porque não havia identificação naquilo que eu estava fazendo, claro que além do lado financeiro que é fundamental para qualquer ser Humano para continuar trabalhando, eu precisava de um pouco mais, precisava sentir o propósito de vida e me sentia frustrada, muito mesmo de não sentir que nasci para isso.

Posso me arrepender com essa troca, claro, posso passar seis meses em sala de aula e achar que foi a pior troca que fiz na minha vida. Porém o grande diferencial de tudo isso sabe qual é? A esperança de ir atrás de algo que eu me identifico. 

O que eu não podia fazer era continuar nesse desanimo e não fazer nada por mim, agora são duas jornadas paralelas bem diferentes que trarei por aqui. Eu não conseguia me ver muito além de uma sala compartilhada com outras pessoas, apesar de viver dizendo que adoraria seguir rumo a ter meus próprios clientes, eu não me via sendo dona de um escritório grande ou algo assim, porém por incrível que pareça, eu me vejo de cabelos coloridos, jaleco e contando história para ensinar algo novo.

Até mais! 


quarta-feira, 25 de abril de 2018

Escureci o cabelo


Escureci o cabelo

Sexta, hora do almoço, não aguento mais o cabelo com a raiz aparente, não acho a cor que eu estou usando e estou à procura dela a umas duas semanas, entro na primeira loja que vejo de cosméticos e compro o "marrom reluzente" (maxton)

Não tive tempo na sexta, ou era o meu alter ego relutando em trocar a cor, afinal finalmente eu tinha achado o ruivo no qual eu queria, o tom exato de paixão pelo vinho. Dois anos em busca do meu marsala perfeito, porque eu tinha comprado esse marrom mesmo?!

Sábado corri para a aula, oito e meia da manhã já estava na faculdade, aguardando um dia cheio pela frente, 14:30 corro para mais uma aula (Por sinal eu nem almocei neste dia , a minha refeição foi uma coca cola e um mini pão de queijo murchinho....sim Shame on me) , dessa vez francês. - Fim do dia, estamos comendo pizzas, pipoca no sofá, me dou a desculpa que não quero dormir tarde e não pinto o cabelo...

Domingo - passo o dia entre os afazeres domésticos, descanso, tv e curtindo a família... Afinal só tem me sobrado os domingos para ser aquilo que eu realmente gosto de ser... Hellen...

09:00 Pm e finalmente eu tomo coragem, vou para o banheiro pintar o cabelo, não posso começar mais uma semana assim, imperdoável da minha parte fazer isso...

Acabo de lavar, me olho no espelho e não sei lidar com o que vejo, não me reconheço naquela imagem refletida, aquele marrom básico, puro, não sou eu, não sou mas eu?! Ou é exatamente assim que eu sou? Dois anos de cabelos vinhos... no qual só tinha passado um de castanho escuro no qual voltei desesperadamente pelo vinho.

Lembrei da Carrie, no primeiro filme de sex and the city, quando ela deixa seus cabelos loiros de anos de lado para ir para o castanho. naquele momento ela não estava conseguindo lidar com quem ela era, com tudo que estava acontecendo naquele momento ela precisava de uma nova camuflagem, algo que não lembrasse a Carrie que ela era, para poder lidar com a dor que ela sentia naquele momento quando o Mrs Big a deixou esperando no altar.

Talvez seja por isso que cortamos os cabelos ou pintamos, ao mesmo tempo que pode significar uma nova passagem de vida, pode ser também uma camuflagem, uma armadura para aquele momento. Eu não quero nesse meu momento de vida, ficar me preocupando com raízes diferentes e cabelo desbotado.

 


“A minha avó dizia-me que quando uma mulher se sentisse triste, o melhor que podia fazer era entrançar o seu cabelo; de modo que a dor ficasse presa no cabelo e não pudesse atingir o resto do corpo” Talvez isso funcione de varias formas.


Até aproxima transformação!

terça-feira, 26 de dezembro de 2017

Resumo de 2017 e O Cansaço do final de ano.

O Blog está temporiamente abandonado, foi a correria de tentar terminar a faculdade sem nenhum exame ( concluido com sucesso), terminar o curso de frances com a nota garantida ( com sucesso também), focar nas crianças que estão de férias e nós pais (adultos.. tcs tcs) não, logo já chegoi o Natal (presentes de ultima hora, que apesar de eu ter tudo em mente, não tinha comprado ainda) ceia ( que tambem comprei no ultimo dia ),Sério escrevo isso no dia 26 e nem sei bem quem eu sou, não curti a decoração de natal de casa e estou com os meus pensamentos longe de tanto sono ( uma noite muito dificil) pensando no dia de ano novo, a ceia e a pseudo faxina e declutter que eu estou tentanto fazer em casa.

A verdade é que ando muito cansada, ao mesmo tempo que o ano de 2017 foi intenso e gratificante cheio de conquistas, foi um ano pesado, cheio de turbulencias demais e agora estou precisando de férias, preciso muito descansar e por a mente em ordem, criar planos para traçar as metas. Ando um pouco cansada de algumas coisas porém não vejo como mudar já que ando um pouco enrijecida .

Não ando participando de redes sociais, desde que o meu celular quebroue isso também me irritou um pouco, já que era um hobby pratico, tirar fotos, e nem isso tenho feito mais... Saudades de  tirar fotos!

Parei de tirar fotos, que era algo que me relaxava durante o dia, parei de registrar pequenos momentos da familia, parei de ler já que se concentrar está ficando cada vez mais dificil.

Esse ano desapeguei de muito coisa e ainda nem cheguei a mexer a fundo no que realmente tem a ser desapegado, não adianta também eu tirar tudo do lugar se não terei como chegar no fim de uma arrumação num fim de semana, isso só gera mais estresse, mas espero até março de 2018 estar com a casa o mais clean possível.


                                     
Isso também me leva a outras questões pessoais de mudança de hábitos de compras e isso incluiu a não comprar presentes para as meninas no Natal (calma...) Elas já iriam receber presentes de outras pessoas da família e nós já teríamos presentes na arvore de natal do Papai noel então não teria o porque de comprar mais brinquedos. E isso também se estendeu para a gente, compramos um para cada um apenas e colocamos embaixo da nossa árvore e acho que acabamos de criar uma tradição nossa, presentes de natal somente na manha de natal!

Quase não comprei livros (na verdade acho que não comprei nenhum nesse ano) o objetivo é diminuir a quantidade de objetos em casa > quero sim ter uma biblioteca em casa, mas por enquanto que não temos como expandir nosso território, agora a ordem é pelo menos não trazer nada novo para a casa e também ganhei um Kindle, o que me deixou com mais peso na consciencia de por enquanto consumir livro físico no momento.

Claro como sempre escrevi demais, publiquei de menos!

Cortei mei cabelo curto e cada vez mais curto o ano inteiro, estou passando por uma transição capilar e nas proximas semanas o ultimo grande corte, meu Big chop.

Comecei finalmente a ver os ponteiros da balança ceder, ainda é muito cedo para falar disso porém espero em breve ter relatos mais concisos sobre o assunto, teve também mais uma tatuagem e definitivamente não será a ultima, quando o tempo voltar a esfriar em 2018 terei mais uma para contar historia.


Teve Carnaval na praia, viagem ao beto carrero, teve trabalho freelancer, curso aos sábados de manha no SENAC, um quase free-la que teve todo o trabalho feito e não finalizado ( ou seja perdi muito tempo e no fim não recebi por isso) , minha primeira compra de roupas pela internet, a primeira vez que as minhas filhas ficaram com pessoas diferentes ( e eu me mordendo por dentro, isso de ser mãe não é nada fácil)


Eu sei que estou terminando o ano de 2017 bem Inquieta, quero coisas diferentes e novas para a minha vida e não ando com muita vontade de repetir 2018 ... não que não seja bom o ano que está chegando ao fim foi bem enriquecedor e isso só me mostrou que eu quero mais, eu quero progredir com calma ( quer dizer planejada) de forma organizada...

Ps. Lembrei de um livro: Girlboss em inglês, quer era para me ajudar com o vocabulario e nao passei da primeira folha, por isso também desisti de comprar mais livros


Enfim saudades de ser blogueirinha rs.


segunda-feira, 16 de outubro de 2017

DICA RÁPIDA EAD : Grupos de trabalho a distancia Nos Cursos à Distancia



Eu sei que eu havia dito que o proximo topico seria o que carregava da faculdade quando eu ia estudar em outro lugar que não em casa, mas apesar do post estar escrito, não consegui fotografar a mochila, então quem sabe consigo fazer isso para o proximo ( sem promessas dessas vez)

A universidade na qual estudo, temos trabalhos em grupo ( EAD - Sendo os participantes, alunos de todos os polos) e já tive problemas em alguns grupos e vi diversos relatos de grupos onde os alunos que são prejudicados por integrantes não cumprirem a regra estipulada. Como por exemplo todos terem que postar na plataforma o mesmo trabalho em data estipulada e caso não o fizer, não tem a nota ou também apenas um postar e  o trabalho estar errado e sem se comunicarcom os demais do grupo.

Não adianta bater de frente, acho que nesses casos so tem duas coisas que podem ajudar - Deixar publico a situação, seja no forum da atividade, mensagens ( a plataforma da minha universidade permite que troque mensagens privativas entre os estudante) e-mails com os professores e cordenador da disciplina e do curso . Porque essas serão as provas de contato, de que você procurou resolver a situação de alguma maneira.

A outra dica é anotar os companheiro de grupo, quem participa, quem divide, quem finge que nao existe, porque assim se puder escolher na proxima etapa, já sabe pelo menos quem eliminar e escolher como participante.

Até mais

domingo, 3 de setembro de 2017

Duas filhas tão pequenas dão trabalho, mas nem tanto trabalho assim.

Estou reescrevendo esse post, nele estava toda a minha alma e reflexão sobre ser mãe de duas filhas pequenas de idades tão próximas uma da outra e fiquei chateada quando na hora de salvar, por uma pane no sistema perder um post tão profundo assim, mas não me dei por vencida e cá estou eu colocando toda a minha alma neste teclado de novo, só para dizer umas boas verdades sobre esta situação e rezando para que não de problemas de novo.

Sempre me perguntam como eu dou conta de cuidar de duas crianças tão pequenas, perguntam se eu planejei, se eu dou conta e como faço com elas para fazer as coisas. Eu entendo a curiosidade, mas com o tempo essa pergunta começou a me cutucar sabe, são duas crianças pequenas sim, mas são crianças, o que eu faço quando fazem bagunça, eu arrumo e agora que são maiores eu as coloco para guardar junto comigo os brinquedos.

Se eu quero fazer algo diferente, preciso planejar e muito para conseguir efetuar tudo o que preciso fazer, as coisas de casa ficam muitas vezes bagunçadas eu aproveito a dádiva de poder ficar com elas e brinco muito, me jogo no chão , faço cabaninha e a criatividade rola solta, claro que dá trabalho, claro que cansa fazer tudo isso sozinha e que muitas vezes eu preciso clamar por paciencia quando tenho que fazer algo e passo o dia sendo interrompida e não consigo concluir meus projetos.

E o que mais eu iria fazer? Devolver? ah já sei não quero mais brincar disso e trocar a brincadeira? Colocar  numa caixinha e quando quisesse brincar de boneca de novo pegar? Não dá né, então não tem essa de como eu consigo, eu apenas levo um dia após o outro e aos poucos vou aprendendo um pouco mais dessa vida de mãe que muda seus desafios constantementes e estou aproveitando enquanto eu sou o centro do mundo das minhas pequenas porque em breve isso vai mudar, é assim que o mundo se transforma.

E sempre tem aquelas perguntas constrangedoras que eu não dou a resposta que gostaria para não ser tão grosseira: planejou? chega né? vai querer um menino? vão ter mais?

E resolvi desabafar ainda mais....

Não rotule uma mãe!

A algo que anda me incomodando muito ultimamente, os termos que muitas de nós usamos diariamente para rotular ações ou pessoas. Rótulos deveriam ser usados apenas para objetos e não para pessoas.

Como por exemplo rotular a mãe que não trabalha fora como mãe em tempo integral, como se a mãe que saí para trabalhar nesse período deixa de ser mãe.

Chega a ser maldade com as mães que trabalham fora de casa, seja por prazer profissional ou por necessidade financeira, ela não deixa de ser mãe por não estar em tempo integral com seu filho, se bobear pensa muito mais na sua criança, pois não tem seus olhos nas crias sempre que o coração pede.

Já fui criticada por médicos, plantonistas  e até atendentes do ambiente escolar! Já saí arrasada desses lugares que só sabiam julgar a minha escolha sem conhecer as minhas necessidades. Por isso digo filho não é fácil, não importa se são um, dois, três ou quantos demais queira... a pior parte é lidar com a sociedade e saber que no fim, nosso filhos são feitos pra eles e não para nós.

Até mais

domingo, 27 de agosto de 2017

Sobre ser mãe e profissional

Oi gente

Hoje falarei de um assunto que dá muito pano para a manga, sobre as mães que trabalham. Assunto polêmico e de muitas opiniões controversas, porém muito importante. Mãe é um ser que você cheio de dilemas (talvez pela própria natureza feminina) e culpa,E sobre ser profissional, porque uma mãe deve escolher apenas um lado?

Lembro de quando eu trabalhava e não era mãe eu podia estar cansada, eu podia estar irritada (com o próprio trabalho), porém nada era de grandes proporções assim, já fui resmungando por ter que acordar cedo para trabalhar num sábado e chegar lá e desempenhar bem meu papel e estar satisfeita no fim do dia.

Isso pode acontecer também quando se é mãe, continuar gostando do trabalho, ou até descobrir uma nova profissão, criar seu próprio negócio e ficar feliz conta tantos papeis desempenhados por dia.

Eu mesma não sabia como seria a minha reação ao voltar para o trabalho, eu não havia me separado da Melissa antes e estava acostumada a ter a Alice como a minha companheira e fiquei seriamente preocupada como seria a nossa adaptação e para a minha surpresa, não poderia ser melhor.

As meninas estão super bem na escola e eu apesar de cansada ( está muito calor na cidade e ainda estou adaptando a rotina, mas nada além do cansaço normal) estou bem tranquilo e até mais leve por sinal! Minha cabeça foca agora em áreas diferentes e com isso consigo descansar das outras áreas que  não estou acessando no momento.

Quero muito me aprofundar sobre assunto, pesquisar sobre as mulheres profissionais e mães e fazer um grande apanhado aqui para o blog, afinal devemos nos apoiar, incentivar a felicidade alheia.

Sim estou muito feliz nessa nova fase, está estampado no rosto, no olhar e na leveza que levo comigo na alma! Apenas digo que me reencontrei, não tirei o papel de mãe de mim, apenas adicionei mais um.

Beijos e até mais

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Com poucos passos, vamos somando a nossa caminhada.

Um dia desses eu estava um pouco desanimada com a vida e isso estava me chateando, primeiro porque eu sei que a vida é feita de altos e baixos, portanto ali, naquele momento eu deveria ficar reflexiva e nao desaninama ( veja bem eu não estou dizendo que eu deveria ficar soltando fogos de articíos, mas sim que eu deveria aceitar o momento e talvez pensar sobre ele e o que eu poderia mudar).

E uma boa parcela de culpa desse sentimento ter se instalado é que as coisas não estavam caminhando como eu queria e em vez de eu trabalhar para a situação mudar eu deixei as coisas caminharem cada vez mais devagar,quase parando ( isso quando não deixei completamente parado).

Pois bem, eu me conheço e conheço os meus pecados não é mesmo, tenho preguiça e ela é falta se a deixo dominar - cada vez mais tento controlar os meus momentos de ócio, uma coisa é descansar outra é morgar o tempo todo - E nesses dias de mais frios (chegou a fazer temperaturas abaixo dos 06 º graus por aqui) eu estava cada vez mais quieta e parei os meus passos e deixei por um tempo o desanimo e a reclamação me dominar.

Minhas manhas estavam cada vez mais lentas e menos produtivas e se antes eu acordava no mesmo horario desses dias fatidicos e arrumava a cama, varria a casa, colocava a roupa para lavar tudo antes das sete da manha e saia (bem) arrumada para o escritorio, ultimamente eu mal conseguia recolher os brinquedos pela casa e por a louça do cafe da manha na pia ( e o caos foi se acumulando e se instalando e o desanimo crescendo).

Á noite entao nem se fala, mais frio (muito mais), cansaço do trabalho, mais desanimo ao abrir a porta e encontrar tudo que deixei para tras ( ué e como poderia ser diferente né) era só o jantar, cuidar das necessidades das meninas e fim.

Pois bem... a unica pessoa que poderia mudar a situação era eu !

Estava lá eu olhando de manhã para aquele sofá sujo ( ninguém merece um sofá de tecido com crianças pequenas , mãos sujas, pés sujos, suco, lanchinhos...) e pensando porque não cobri o sofá ainda (uso uma manta) ...é porque está sujo e separei a manta para colocar mesmo assim... Hellen Pelo amor de Deus voce não vai fazer isso... calma não fiz, deixei a manta e falei assim á noite eu lembro de fazer...posso até lembrar, mas fazer é outra história. Fui na área de serviço, peguei o sabão liquido de coco e taquei a limpar / enxaguar o sofá. Deixei as janelas abertas (torcendo para não chover) e secar e corri para o meu trabalho. Quando cheguei em casa nem lembrava mais do que eu tinha feito e assim que entrei minha sala sorriu pra mim! O sofá já estava seco, coloquei a manta, as almofadas e estava ali, minha sala quase arrumada.

Não estava perfeito, talvez esfregar mais um pouco ou um produto melhor para esse tipo de serviço,porém com alguns passos eu já nao estava mais no mesmo lugar que de manha, agora eu estava numa sala mais organizada, cheirando a sabao de coco ( que adoro por sinal).

E porque eu estou contando algo tão banal e tão íntimo como uma faxina de sofá... minha casa ainda não esta arrumada do jeito que eu gosto, eu me desorganizei e deixei assim, caso eu nao contrate alguem para fazer o serviço por mim, eu tenho que me mexer e fazer , com poucos passos as coisas ja mudam e isso vale para qualquer coisa que queremos, um passo de cada vez para alcançar o topo da escada, não vale sentar e se lamentar que o topo e longe demais, ok descansar, ok dar um tempo, o que não pode fazer é nunca mais se levantar ..

Do mesmo jeito que tudo bem não querer alcançar mais aquele topo e desejar outro, basta mudar e nunca desistir!








domingo, 20 de agosto de 2017

Um dia de choro, meu e dela!

Se tem uma coisa que acaba comigo é o choro das meninas,não importa se estou perto ou longe, o choro me pertuba, horas é pela frescura e elas sabem como usar essa ferramenta, outras vezes é pelo sentimento de dor, ninguem chora à toa, e o choro de eu quero a minha mãe desperta em mim a minha dor de abandono, como se eu não estivesse sendo uma boa mãe, estivesse deixando de cumprir a minha obrigação de colo e carinho.

Recentemente teve um episódio desses, eu não estava bem de saúde e tinha dormido muito mal e como estava vindo de um dia de folga coletiva fui trabalhar mesmo assim. Onde trabalho não tem esquema de home office, reuni as forças que tinha, me entupi de medicamentos e fui trabalhar, porém a pequena passou a manhã chorando, ela estava cansada e com sono e me queria. não faltou muito para eu querer ir embora, estar com ela, dar o meu colo.

Se eu já estava fragilizada, fiquei em frangalhos também e engoli o choro, depois disso minha manha se arrastou a cada minuto até a hora do meu almoço, no qual nem a refeição entrou e eu apenas abaixei a cabeça na mesa com fone de ouvido para não ser pertubada.

Adormeci, com as lágrimas escorrendo, com o coração cheio de culpa e rezando para que a minha menininha ficasse bem. Nesse dia foi preciso de muita força de vontade para não sair da minha cadeira e ir embora, foi preciso raciocinar que não sou a unica mãe que fica com coração na mão ao deixar sua criança para trabalhar, que assim como eu muitas não tem a opção home office e não é algo fácil de achar e que eu precisava ser forte porque eu precisava estar no meu trabalho.

Porque eu estou contando isso, porque se você assim como eu é mãe e trabalha e passa por isso também, você não está sozinha como você pensa, são assuntos que não são falados em voz alta com medo de acharem que somos más mães ou com medo de nos acharem péssimas profissionais e que não conseguimos nos desligar do mundo materno.

Você não está sozinha, por mais que não possa falar as vezes com outra pessoa quando isso acontece, saiba que aqui você vai encontrar meus desabafos sobre a realidade de abraçar o mundo e as dores de quando as alfinetadas acontece, aqui seus comentarios, dicas e desabafos serão recebidos porque você não está sozinha, acontece sempre isso comigo e acontece com a outra ali do lado que te julga na hora do comentario, mas quando chega exausta em casa com muito ainda para fazer se julga porque não tem mais tempo livre para as crianças.

Aqui voce encontra um espaço para desabafar, meu abraço virtual e porque não mil conversar em privado para desabafar e aliviar essa sensação !

Até mais